Introdução a Mitologia Coreana Parte 2

Atualizado: 5 de jul. de 2021

Fluxo de Mitos: Imitação e Variações dos Mitos de Criação



Ilwolbusang-do (uma cena do sol e da lua nascendo no céu). Pintura popular da Dinastia Joseon. Século 18 a 19
Ilwolbusang-do (uma cena do sol e da lua nascendo no céu). Pintura popular da Dinastia Joseon. Século 18 a 19

Existem dois mitos típicos do dilúvio na Coréia. No mito do casamento misto irmão-irmã, a humanidade continuou sua existência por meio do casamento entre um irmão e uma irmã que sobreviveram a uma grande inundação. No mito Namu Toryong (Um Filho da Árvore de Deus), Namu Toryong desempenhou um papel semelhante na continuação da nossa história após uma grande inundação. Vou resumir brevemente a história do mito do casamento entre irmãos e irmãs aqui, e continuarei a explicar suas implicações.

Era uma vez, houve uma grande inundação e todos desapareceram, exceto um irmão e uma irmã. A fim de determinar a vontade do céu, eles escalaram uma alta montanha e rolaram um par de pedras de moinho (ou observaram sinais de fumaça subindo fundir-se no céu). A pedra superior rolada pelo irmão e a pedra inferior rolada pela irmã se encontraram na base da colina. Depois de encontrar as pedras colocadas uma em cima da outra, o irmão e a irmã decidiram se casar, a humanidade foi assim capaz de continuar sua existência e, portanto, nossos ancestrais se originaram deste irmão e irmã.

O deus da criação cria ordem a partir do caos nos fenômenos naturais e nos assuntos humanos. Ele separou o céu e a terra, dividiu o sol e a lua para criar estrelas, fez dia e noite, separou os espíritos vivos dos fantasmas e os deixou viver no mundo presente e no outro mundo, respectivamente.

Sua orientação a princípio é "criar dividindo". Em outras palavras, ele divide o que costumava ser unido e, assim, cria algo que antes não existia. Os princípios do mito da criação são ligeiramente modificados, imitados e variados no mito do casamento misto irmão-irmã. O papel do deus da criação foi concedido ao irmão e à irmã, os únicos sobreviventes após o grande dilúvio. Eles violaram as regras de conduta estabelecidas. por Shakyamuni no mundo pré-diluviano e recriou a raça humana através do casamento entre irmãos e irmãs. Dependendo da situação, o que costumava ser a ordem das coisas pode causar o caos completo. Este princípio é inerente ao mito da criação. Um bom exemplo é "destruir vários sóis", um componente mitológico típico nos mitos da criação. No início, dois (ou até mais) sóis foram criados por certos princípios. No entanto, depois de violarem a ordem das coisas ao criar o mundo, eles foram eventualmente destruídos.



Deve-se notar, entretanto, que o mito do casamento misto irmão-irmã é sobre a criação por meio da combinação, não sobre a criação por meio da divisão. A criação diz respeito tanto à divisão quanto à combinação, e este é o principal princípio da natureza que nos rodeia. Muitas plantas se reproduzem por divisão e muitos animais se reproduzem por combinação. O resultado é idêntico no sentido de que ambos resultam na criação de novas entidades, mas seu modo de operação é totalmente diferente. Portanto, seja através do casamento entre irmãos ou não, é impossível replicar e imitar completamente o princípio de Maitreya no mito da criação.


- Continue acompanhando essa introdução a Mitologia Coreana:


Parte 1

Parte 3

Parte 4

Parte 5

Parte 6

Parte 7


- Apóie o blog clicando nos anúncios desta página, não custa nada pra você mas ajuda muito o blog a continuar trazendo conteúdos relevantes para os apaixonados por história, cultura e mitologia coreana. Conto com seu apoio!




0 comentário

Posts recentes

Ver tudo