História da Coréia 1 - Parte 1

Atualizado: 26 de jun. de 2021

Olá, vamos dar continuidade então a nossa série de postagens sobre a História da Coréia e hoje vamos considerar um período de mais ou menos 10.000 anos a.C até os primeiros séculos de nossa era. Vou dividir essa primeira postagem em 2 partes, e nessa primeira parte falaremos resumidamente da mais remota e a segunda parte a mais recente dessas 2 considerações.

Peço que se você caro leitor encontrar alguma inconsistência nos relatos, algum erro ou omissão por gentileza me envie uma mensagem informando. Tudo o que escrevo aqui vem da leitura e estudo de livros que citarei no final da postagem. Vamos lá!

O Deus e o Urso


Consideramos que há a origem mitológica do Urso, e isso é narrado no épico “Samguk Yusa”, onde o monge que o escreveu tenta então dar uma narrativa da peculiaridade da nação coreana. Eventualmente depois dessa parte mitológica, de como eles narram a sua construção como nação, veremos os primeiros vestígios materiais encontrados pela arqueologia e como que ela vai se inserir nessa interpretação histórica do reino coreano.

As primeiras evidências que temos são as cerâmicas do período mais recuado que seria do período Jeulmun (8000 – 1500 a.C), que apresenta características muito interessantes, primeiro porque é um uso sofisticado da cerâmica, portanto a cerâmica é essencial para estocagem do cultivo do arroz, do milhete na região norte, mas principalmente do arroz que vai dar possibilidade de crescimento e de sustentação populacional nas planícies coreanas. Isso tudo então vai se revelar com as primeiras manifestações artísticas, estéticas e de organização social da península, são cerâmicas que apresentam traços de pente, marcados pela superfície, essa cultura que se refere como Jeulmun ela vai prevalecer basicamente cerca de 8000 até 1500 a.C, e é talvez das cerâmicas mais antigas do mundo.

É muito interessante porque isso também vai revelar o período Jeulmun também no Japão as cerâmicas mais antigas do mundo e isso tudo vai ser resultado de povos que vieram deslocados de outras regiões asiáticas e se miscigenaram à medida que ela vai avançando pelo leste asiático. A cultura neolítica anterior inclusive, já apresentava certa elaboração e isso já foi identificado inclusive nas crônicas chinesas. Os estudiosos de hoje inclusive consideram que o povo coreano descende em grande parte desses povos.

O bronze e o cultivo do arroz vão se estabelecer no primeiro milênio a.C, e parece ter vindo de regiões mais meridionais da península, o cultivo do milhete, que depois vai originar o trigo, era mais comum no norte da China, então temos as características de predomínio do arroz em terras baixas mas, mais ao norte você já tem o cultivo do trigo.


Os mitos de Fundação


Os mitos de fundação da Coreia estão em torno da figura de “Dangun” que é considerado uma espécie de fundador, rei e sacerdote de um Reino mítico chamado Choson ou Gojoseon (Go= antigo, Antigo Joseon), de uma época muito recuada e que depois vai haver um Reino estabelecido, isso vai ser quase que na virada de antes da nossa era para nossa era, e será um Reino que se inspirou neste mito em torno dessa figura de Dangun, que na verdade é um personagem que foi narrado na obra que citei anteriormente de Samguk Yusa, que é a Memorabília dos 3 Reinos, que foi elaborado por um monge budista do século XIII, na época que os mongóis tentaram invadir a península.

E a história de Dangun narrada no Samguk Yusa é de que na época dos deuses existia um que era Hwan-Ung, que queria viver no plano dos homens e ele vai ser atendido pelo seu pai Hwan-In que era o senhor do céu. Então Hwan-Ung desce dos céus para a Terra e escolhe a montanha do cume branco “Baekdu”, que está hoje a na fronteira da Coreia do Norte com a China, e estabelecendo-se nessa montanha Hwan-In vai mandar sobre todo o plano terrestre. Hwan-In vai descer com 3000 seguidores, depois ele vai declarar o local onde está como a cidade sagrada Shinshi, depois ele vai ser declarado como rei celestial, assume os encargos de ensinar agricultura, medicina, as artes, as leis e a moral. Isso tudo vai ser estimado, em 2333 a.c. são as narrativas das origens mais remotas de uma fundação da nação coreana, da civilização coreana, e nas proximidades onde reinava Dangun, na verdade o seu pai, habitavam um urso e um tigre, e o urso e o tigre eles começam a suplicar a Hwan-Ung para transformá-los em seres humanos.

Eventualmente a esses 2 animais é dado um ramo de uma artemísia junto com 20 dentes de alho, e ordenado aos dois evitar a luz do sol por cem dias. Esses dois animais comem a planta, evitam o sol e depois de 20 e poucos dias o urso vai se manter fiel ao plano e vira uma mulher. O Tigre por sua vez, ele é impaciente, intempestivo, não segue as recomendações e permanece no seu estado bestial. O ex urso e agora mulher, então passa a suplicar por um companheiro para ter uma criança, e ouvindo seus pedidos Hwan-Ung então se transforma num ser mortal, humano e deita-se com essa mulher e gera um filho que é Dangun.

Dangun então é filho de uma mulher que era o urso que ao ser transformada em mulher pelos deuses e o seu pai Hwan-Ung dão aí a sua descendência, e Dangun depois que cresce vai se tornar um homem repleto de qualidades e de liderança, ele sediando o Reino vai fundar uma capital em Pyongyang, na região mais ao norte da península coreana e vai chamar seus domínios de Choson, então estamos ainda no reino mítico não é a realidade política que eu descrevo aqui, a inspiração desse Reino de 180 a.C vai se dar nessa narrativa mitológica. Anos mais tarde Dangun vai mudar sua corte a para outra cidade chamada de Asadal e vai governar ali por 1500 anos, e ao final da sua longa vida Dangun passa seu Reino a seus sucessores e passa a viver nas montanhas como divindade. E ao que parece essa narrativa mitológica ela serve para compreender como é que os reinos posteriores vão se inspirar, como é que eles vão desenvolver as suas narrativas de legitimação e prestígio, não há nenhum vestígio material desse reino mitológico, temos somente as primeiras evidências no século IV a.C, de algum Reino organizado na península, então essa narrativa até agora ela segue com o propósito mitológico de legitimar os reinos posteriores na região da Manchúria, na região da península coreana. Alguns estudiosos consideram que a narrativa do Samguk Yusa, apresenta seu contexto histórico, e de uma certa validade, esse argumento de que o mito de Hwan-Ung e sua descendência representaria a migração dos povos das regiões siberianas, das cordilheiras da Mongólia e eles trouxeram culturas e técnicas de agricultura e plantiu, e isso vai se difundir depois com os habitantes aborígenes da Manchúria e da Coreia, e estes nativos eles adoravam um Deus em forma de tigre que depois vão ser marginalizados. Então aí você entende como é que o tigre permanece na narrativa com o estado bestial, e outros que vieram trouxeram o culto a forma de um deus urso, e esses vão prevalecer como a origem do Reino Choson, o Reino mítico de Choson, então de certa maneira apresenta como é que um povo de determinada cultura vai prevalecer sobre outros que vão ser considerados os bestializados.

E depois Dangun vai ser sucedido, haverá inclusive migração de povos vindos do Oeste e isso tudo então vai apresentar o quadro de imigrações e assimilações, isso tudo séculos antes de nossa era.

O quadro de migrações apresentado nessa narrativa mostra a decisiva entrada de povos da região mongólica das regiões da Cordilheira Altai da Sibéria entrando para as regiões mais ao norte da península coreana, e as evidências materiais disso também são interessantes, temos a cultura do bronze da região da chamada cultura de Liaodong desde o século X a.C, que apresentam formas já sofisticadas e trabalhadas da cultura siberiana da região de Urdos, região norte da China. Essa região originária ela começa a influenciar também regiões da península coreana, também haverá introdução de técnicas agrícolas, o arroz ele é cultivado, tem evidências desde o século VIII a.C e que depois, vai junto com o milhete então apresentar a sustentação dos coreanos durante esse período. O sistema de escrita também vem nesse esteiro, ele vai se espalhar nas regiões coreanas, vai fundamentar depois o reino Choson, não mais o mítico mas aquele logo na virada do século a.C para d.C, é incerto como foram introduzidas essas primeiras escritas que vem além da península coreana mas é provável que vieram acompanhando as ondas migratórias que estabeleceram também a escrita chinesa ou seja formas de sinogramas.

Samguk Yusa - Memorabília dos Três Reinos
Samguk Yusa - Memorabília dos Três Reinos

O Reino de Choson, então o primeiro reino organizado da região coreana, depois essa narrativa continua afirmando que a organização de um reino de defesa e de guarda em suas fronteiras contra os chineses. Eventualmente, e veremos lá na próxima postagem, o Reino de Choson enfrentando os chineses, eles vão ter então primeiro, uma espécie de submissão ao controle da dinastia Han (dos chineses), os Hans depois vão ter uma dominação confederada da sua península e depois com o tempo eles vão ser expulsos e haverá a sessão de um outro Reino mais organizado e centralizado no norte da península coreana que vai ser o Reino de koguryo, mas isso fica para a segunda parte dessa postagem!

Até lá!

- Apoie esse blog clicando em qualquer anúncio nesta postagem, seu apoio é muito importante para que o blog continue trazendo conteúdeos de qualidade! Desde já minha gratidão!


- Leia também

- Introdução a História da Coréia

- História da Coréia 1 Parte 2


Toda as informações contidas nessa postagem foram baseadas nos livro:


- “O Deus e o Urso” de Emiliano Unzer


0 comentário

Posts recentes

Ver tudo