top of page

[História com K-drama] "A Grande Rainha Seondeok": a série de sucesso apresentou ao mundo a primeira líder feminina da Coreia



Em 2009, quase metade da Coreia não podia sair de casa nas noites de segunda e terça-feira durante sete meses inteiros porque tentavam captar o que acontecia ao lado da Rainha Seondeok, a primeira rainha a governar a Coreia, no drama de sucesso da TV. “A Grande Rainha Seondeok” da MBC.


A Grande Rainha Seondeok

Estrelado por Lee Yo-won como Rainha Seondeok, Go Hyeon-jeong como a vilã Mishil e Uhm Tae-woong como Kim Yu-shin, o drama teve 62 episódios e liderou a audiência da TV, ultrapassando 40 por cento quase todas as semanas após seu 26º episódio.


Por se tratar de um drama histórico que narra a vida da Rainha Seondeok de Silla (57 a.C. - 935 d.C.), a maioria dos coreanos com um conhecimento básico de história puderam prever o que aconteceria ao lado da Rainha Seondeok, mesmo sem ter assistido aos episódios subsequentes do drama. Claramente, a versão televisiva da história da Rainha Seondeok foi ficcional para garantir que os telespectadores ficassem tensos. “A Grande Rainha Seondeok” fez tanto sucesso que também foi ao ar em outros países — como Sri Lanka, Tailândia e Filipinas — tornando-se um dos dramas coreanos mais populares em todo o mundo.



Sucedendo a seu pai, a Rainha Seondeok governou Silla de 632 a 647 durante um período de intenso conflito com os reinos vizinhos de Baekje e Goguryeo. Em “Samguksagi”, o texto histórico do século XII sobre os Três Reinos da Coreia, Seondeok, também conhecida como Deokman, é retratada como uma mulher “generosa, benevolente, sábia e inteligente”. Ela é retratada como tal personagem no drama, só que essas características são mais enfatizadas enquanto ela luta contra sua inimiga, Mishil. Mishil, uma personagem diabólica, domina o drama desde o primeiro episódio e alguns espectadores até disseram acharem que o título do drama era “Mishil”, e não “Rainha Seondeok”.


No entanto, Mishil é uma personagem semi-ficcional, fazendo com que a maioria da trama envolvendo sua personagem não seja baseada em fatos históricos. O único documento histórico no qual o nome de Mishil aparece está em uma cópia dos “Anais do Hwarang” escrita pelo historiador Silla, Kim Dae-mun. O livro original desapareceu, mas em 1989, uma cópia apareceu repentinamente na Biblioteca Real Japonesa. Os historiadores ainda travam um intenso debate sobre se a cópia é uma falsificação ou, na verdade, legítima.


A Grande Rainha Seondeok

No livro, diz-se que Mishil teve três amantes que eram pungwolju (líderes do código de cavalaria Silla que viveram de 540 a 681) e governaram a corte através dos quartos de três reis, Jinheung, Jinji e Jinpyeong. Ela não existe em nenhum outro documento histórico.


Quer Mishil seja real ou não, a travessura que ela cuidadosamente coordena para derrubar Seondeok no drama é inteiramente fictícia, fazendo com que os espectadores se perguntem qual será seu próximo passo. Os elementos ficcionais da história começam desde o início do drama.


No drama, Deokman nasce como a filha gêmea mais nova do Rei Jinpyeong e da Rainha Maya. No entanto, havia uma lenda de Silla que dizia que se o rei e a rainha dessem à luz gêmeos — especialmente filhas gêmeas — sua linhagem terminaria. Temendo que sua amada rainha Maya fosse destituída por Mishil, cuja ambição era se tornar rainha e gerar um príncipe herdeiro, o rei Jinpyeong envia secretamente a recém-nascida Deokman para longe do palácio com sua serva leal Seohwa. A princesa Cheonmyeong é criada no palácio enquanto Deokman é criada em um deserto na Mongólia por Seohwa sem saber de sua identidade real.


No entanto, de acordo com registros históricos, Deokman e Cheonmyeong não eram irmãs gêmeas. Além disso, Deokman era a irmã mais velha. Ela nunca teve que sair do palácio e viver a vida de uma plebeia ou mesmo se disfarçar de menino, como retratado no drama pouco antes de todos, inclusive ela mesma, descobrirem que é uma princesa.



Todo drama de TV viciante tem uma história de amor, e “A Grande Rainha Seondeok” não foi exceção. Embora o jovem e a jovem não confessem abertamente seu amor um ao outro, o drama frequentemente mostra Deokman e Kim Yu-shin, o general mais famoso de Silla, desenvolvendo sentimentos um pelo outro. Existe até um triângulo amoroso — a irmã gêmea de Deokman, a princesa Cheonmyeong, gostou de Yu-shin primeiro, mas desiste dele e de sua vida por seu país, fazendo com que Deokman jurasse vingança contra Mishil. No programa, a princesa Cheonmyeong morre após ser atingida por uma flecha venenosa.


No entanto, a história de amor também é fictícia e alguns historiadores criticaram o drama por ir longe demais para entreter os espectadores com as façanhas românticas da rainha. De acordo com registros históricos, a Rainha Seondeok casou-se três vezes e não teve filhos.


A Grande Rainha Seondeok
Esquerda: Retrato da Rainha Seondeok (desconhecido-647). À direita: Cheomseongdae, um observatório astronômico em Gyeongju, North Gyeongsang.

O drama aborda brevemente suas conquistas reais durante seus 15 anos de reinado, incluindo como ela ergue Cheomseongdae, um observatório astronômico, bem como o pagode de nove andares no Templo Hwangnyong. O drama também se mantém fiel à história ao contar como Bidam, a quem a rainha nomeou para o cargo mais alto da corte, lhe vira as costas, criando a maior rebelião da história de Silla.



Comentários

Avaliado com 0 de 5 estrelas.
Ainda sem avaliações

Adicione uma avaliação
bottom of page