top of page

[Cultura] Vida cultural na Coreia durante a ocupação japonesa

Atualizado: há 1 dia



A “Política Cultural” do Japão, por um lado, incentivou novos desenvolvimentos na vida cultural coreana na década de 1920. Por exemplo, ela provocou o surgimento da “Nova Literatura”. Imediatamente antes da anexação da Coreia pelo Japão, surgiu o “novo romance”. Embora o novo romance mantivesse resquícios da forma literária antiga, pois ainda era didático e escrito inteiramente em hangul (alfabeto coreano) para ser facilmente lido por todos, os novos romances refletiam os valores do movimento iluminista contemporâneo, defendendo a independência coreana, a reforma educacional, a ética familiar baseada na igualdade entre os sexos, a erradicação de crenças supersticiosas e a construção de uma sociedade coreana racional e esclarecida.



O pioneiro entre os novos romancistas, Yi In-jik, é autor de obras representativas como Hyeol eui nu, ou Lágrimas de sangue; Chiaksan, ou Montanha do faisão; e Kwi eui seong, ou Voz de um demônio. Os novos romances também incluíam Chayu chong, ou Sino da liberdade, e Moran Pyeong, ou Tela de Peônia, de Yi Hae-jo; Chuweol saek, ou Cor da Lua de Outono, de Choe Chan-sik; e Keumsu hoeeui rok, ou Procedimentos do Conselho de Pássaros e Animais, de An Kuk-seon. Seguindo os modelos ocidentais e japoneses, o novo romance constituiu a corrente principal da escrita de ficção na Coreia até o final da década de 1910, atingindo seu auge com a publicação de Mujeong, ou Os Sem Coração, de Yi Kwang-su, em 1917.



Após o Movimento Primeiro de Março, surgiu a literatura moderna, muitas vezes chamada de “Nova Literatura”, exemplificada por um grupo de escritores ativos na década de 1920. Esses novos homens literários lançaram a publicação de várias revistas de escritores, como Changjo, ou Criação (1919); Pyeheo, ou Ruínas (1920); Paekcho, ou Maré Branca (1922); e Keumseong, ou Estrela Dourada (1923). O pioneiro do novo movimento literário foi Kim Tong-in, cuja principal obra, Kamja, ou Batatas, introduziu o gênero do naturalismo ao retratar as influências ambientais na desumanização. Por outro lado, as obras realistas de Yeom Sang-seop, como Samdae, ou Três Gerações, tratavam do dilema enfrentado pelos coreanos na transição de uma sociedade tradicional para uma sociedade moderna. Uma literatura de sentimentalismo, ou romantismo, representada por Mullebanga, ou Roda d'água, de Na To-hyang, também surgiu no início da década de 1920.



Em meados da década de 1920, duas novas tendências foram adicionadas ao corpus literário existente: uma que buscava promover a autoidentidade coreana durante o sombrio período colonial e outra que visava despertar uma consciência social. Representando a primeira tendência estava Han Yong-un, um dos 33 signatários da Declaração de Independência, cujo poema, Nim eui chimmuk, ou O Silêncio do Meu Amado, personificava o espírito de amor pelos compatriotas. Outro poeta desse gênero foi Yi Sang-hwa que, em seu Ppaeatkkin teul edo pom eun oneunga?, ou A Primavera Chega a um Campo Perdido?, cantou seu amor infinito por seu país.


A outra tendência foi influenciada pelos movimentos socialistas e comunistas e descreveu a infiltração japonesa do capitalismo na Coreia e a consequente pobreza do povo coreano. A obra pioneira desse gênero foi Talchulgi, ou O relato de uma fuga, de Choe Seohae, em que o autor retratou de forma vívida a miséria de uma família pobre que migrou para a região de Jiandao. Outra obra representativa foi o romance Kohyang, ou País de Origem, de Yi Ki-yeong, que descreve a miséria dos aldeões e o esforço de um estudante para organizá-los. Em seu longo romance, Im Kkeok-cheong, Hong Myeong-heui dramatizou a atividade de Im Kkeok-cheong, um líder bandido do início do século XVI, a versão coreana de Robin Hood, que lutou contra funcionários corruptos do governo e, assim, tentou reunir o povo coreano contra seus senhores coloniais japoneses. Essas obras logo evoluíram para uma literatura proletária e politizada e, em agosto de 1925, escritores de esquerda criaram a Korea Artista Proleta Federatio, ou Federação Coreana de Artistas Proletários (KAPF), que durou até que as autoridades japonesas a dissolveram em maio de 1935.



Como os coreanos só podiam se organizar de forma limitada, organizações oficialmente aprovadas surgiram como cogumelos após a chuva em diversas áreas no início da década de 1920. Esse período também testemunhou o surgimento de tradições coreanas distintamente modernas na literatura, teatro, música, cinema e historiografia, que influenciaram profundamente os desenvolvimentos culturais da era subsequente.

Leia o poema de Han Yong-un:


O Silêncio do Meu Amado

O amor se foi, se foi meu amor. Afastando-se de mim, ele seguiu por um pequeno caminho que se estende no esplendor de uma colina verde até a floresta tingida de outono. Nosso último juramento, brilhante e duradouro como uma flor de mosaico de ouro, transformou-se em cinzas frias, sopradas pelo sopro do vento. Lembro-me de seu primeiro beijo comovente e sua memória operou uma mudança completa em meu destino, depois recolhido ao esquecimento. Não ouço sua doce voz; Não vejo sua bela aparência. Como é humano amar, eu, alerta, temia que uma separação viesse quando nos conhecêssemos. A separação veio tão repentinamente que partiu meu coração com uma tristeza renovada. No entanto, sei que a separação só pode destruir nosso amor se fizer com que lágrimas inúteis caiam. Prefiro transferir a onda dessa tristeza para o cume da esperança. Assim como tememos nos separar quando nos encontrarmos, prometemos nos encontrar novamente quando nos separarmos. Embora meu amor se foi, não me separei do amor; uma incansável canção de amor envolve o silêncio do amor.


Han Yong-un



1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 Comment

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
genival050604
genival050604
Aug 01, 2023
Rated 4 out of 5 stars.

Legal👍

Like
bottom of page