top of page

[Notícia] Restrições da Lei de Segurança Nacional da Coreia do Sul à Mídia Norte-Coreana Criticadas em Relatório do Departamento de Estado dos EUA



Os EUA destacam como as leis sul-coreanas restringem as liberdades, embora não encontrem alterações na situação precária dos direitos humanos na Coreia do Norte


Lei de Segurança Nacional
Policiais sul-coreanos estabeleceram um perímetro durante uma operação do Serviço Nacional de Inteligência em Seul. | Imagem: NK News (janeiro de 2022)

A proibição da Coreia do Sul ao consumo de meios de comunicação norte-coreanos e outras restrições impostas pela Lei de Segurança Nacional (NSA) limitam a liberdade de expressão, afirma o Departamento de Estado dos EUA num novo relatório, ao mesmo tempo que conclui que não houve “nenhuma mudança significativa”à situação precária dos direitos humanos na RPDC.


A avaliação dos EUA sobre a NSA nos novos relatórios nacionais sobre direitos humanos divulgados na segunda-feira repete em grande parte conclusões anteriores de que limita a liberdade de expressão e restringe o acesso à Internet, mas o relatório deste ano destaca com mais destaque o impacto da lei nas liberdades na Coreia do Sul.

 

Ao mesmo tempo, o Departamento de Estado observou que o governo sul-coreano respeitava o direito dos “membros da imprensa” de utilizar e transmitir os meios de comunicação norte-coreanos.



A NSA é uma lei da época da Guerra Fria que estipula punições para quem apoia ou elogia a Coreia do Norte. A lei proíbe a difusão de conteúdo norte-coreano e também bloqueia o acesso aos sites da RPDC provenientes da Coreia do Sul.


Park Kyung-sin, professor de direito da Universidade da Coreia, disse ao NK News que a Comissão Coreana de Padrões de Comunicação continua a derrubar e bloquear sites que apresentam informações sobre a Coreia do Norte, “presumindo, sem julgamento, que essas postagens e sites são culpados de violação” das estipulações do Artigo 7 da NSA contra elogiar e tolerar uma “organização anti-estatal”.


“Por exemplo, vídeos que mostram famílias norte-coreanas cozinhando em casa foram encerrados sob a suposta violação do Artigo 7”,

disse Park.



O relatório do Departamento de Estado também observa que “grupos da sociedade civil argumentaram que os poderes do Serviço Nacional de Inteligência e a falta de supervisão lhe permitiram definir o seu mandato demasiadamente ampla”.


A observação foi feita depois que o NIS e a polícia sul-coreana realizaram inúmeras batidas contra ativistas suspeitos de simpatias pró-norte-coreanas ou de envolvimento com norte-coreanos sem aprovação oficial.


No início deste mês, uma associação estudantil sul-coreana acusou o NIS de monitorizar “ilegalmente” os seus membros, numa tentativa de os enquadrar como pró-Coreia do Norte, embora a agência de inteligência tenha negado que tal vigilância seja ilegal.


No seu relatório, o Departamento de Estado afirmou que as autoridades sul-coreanas efetuaram 11 detenções sob a alçada da NSA entre janeiro e julho de 2023.


O relatório mencionou dois casos específicos, incluindo a prisão de “quatro membros de organizações cívicas em Changwon” por supostamente comunicarem com agentes norte-coreanos e “incorporarem objetivos políticos norte-coreanos nas agendas das suas organizações” e a prisão de membros de partidos políticos progressistas na ilha Jeju.



No seu relatório separado sobre a Coreia do Norte, o Departamento de Estado observou abusos “significativos” dos direitos humanos, tais como “relatórios credíveis” de assassinatos arbitrários ou ilegais, desaparecimentos forçados, tortura, práticas médicas ou psicológicas involuntárias, ou coercivas e muito mais.


O relatório também concluiu que “os agentes da RPDC continuaram a procurar e a realizar repatriações forçadas de cidadãos da RPDC no estrangeiro, em alguns casos trabalhando ou pressionando governos estrangeiros a fazê-lo”, sem se referir a casos específicos em 2023.


O relatório conclui:

“Não houve mudanças significativas na situação dos direitos humanos na República Popular Democrática da Coreia durante o ano”.

Eric Foley, CEO da Voz dos Mártires da Coreia, questionou a afirmação e disse que reflete o fato de os observadores “terem dificuldade em fazer mais do que tabular segundo as categorias deprimentes habituais”.

“Para compreender o que está acontecendo na Coreia do Norte é necessário olhar para a situação com novos olhos todos os dias — não porque haja melhorias no governo ou nas condições sociais, mas porque os norte-coreanos são infinitamente engenhosos, e até o governo norte-coreano leva algum tempo para encontrar maneiras de desligá-los."

O relatório da RPDC baseou-se principalmente em conclusões anteriormente conhecidas de reportagens dos meios de comunicação social, relatórios da ONU e num documento branco de 2022 do Instituto Coreano para a Unificação Nacional, um grupo de reflexão afiliado ao governo da Coreia.



[FONTES:] Autor original: Ifang Bremer (NK NEWS), Edição: Bryan Betts, Tradução e adaptação: Van Borh (REPAGINADAMENTE KOREA).

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page