top of page

[História com K-drama] "Mr. Sunshine": a história é retratada, mas alguns desvios e motivações irritam os espectadores coreanos.



Em 1875, no segundo dia após o nascimento de Go Ae-shin no Japão, uma conspiração do Exército Justo da Coreia para assassinar o colaborador pró-japonês Lee Wan-ik falha. Os pais de Ae-shin, que estavam envolvidos na trama, são mortos por Lee. Envolta em um cobertor, a bebê Ae-shin é enviada de volta para Joseon pelos camaradas de seus pais para seu avô, que já foi professor do Rei Gojong. Go Ae-shin cresce como uma moça nobre, mas com os genes patrióticos de seus pais; ela treina para se tornar uma atiradora de elite e finalmente se torna membro do Exército Justo, um exército guerrilheiro informal formado para lutar contra os japoneses.


Mr.Sunshine

No outono de 1875, não muito depois do retorno de Ae-shin à Coreia, ocorre a Batalha de Ganghwa. Foi um exemplo da diplomacia das canhoneiras usada pelo Japão para entrar na península coreana.


Go Ae-shin, interpretada por Kim Tae-ri, é uma personagem fictícia criada pelo célebre escritor Kim Eun-sook para ajudar a contar essa história em “Mr. Sunshine”, que encerrou seus 24 episódios com altos índices de audiência tanto na televisão local quanto na Netflix. Por se tratar de ficção histórica, alguns personagens e histórias são inventados e outros são baseados em fatos históricos. Distinguir a ficção dos fatos não seria tão difícil para os coreanos, que foram ensinados em História. Não é tão fácil para quem está de fora.



No drama, os pais de Ae-shin — membros do Exército Justo da Coreia — foram ao Japão antes da eclosão da Batalha de Ganghwa para promover o movimento anti-japonês no Japão. Mas, na verdade, a pilhagem de Joseon pelo Japão começou após a Batalha de Ganghwa, estimulando a revolta de grupos patrióticos como o Exército Justo na Coreia. Especialistas dizem que a ação sistemática do Exército Justo começou após o assassinato da Imperatriz Myeongseong pelo Japão, no que é conhecido como o Incidente Eulmi em 1895. Além disso, durante o tempo em que os pais de Ae-shin estiveram no Japão no drama, teria sido difícil até mesmo para comerciantes, e muito menos pessoas comuns, como os pais de Ae-shin, irem para o Japão; as trocas entre os dois países foram interrompidas.


Esse avanço na linha do tempo pode ter ajudado os produtores a dramatizar a história. Mas os historiadores argumentam que parece um ajuste histórico desnecessário que enfraquece a sua credibilidade.


O drama, que se passa na Coreia no final de 1800 e início de 1900, antes da ocupação japonesa, é uma história de amor durante a guerra entre um fuzileiro naval americano nascido na Coreia chamado Eugene Choi, interpretado por Lee Byung-hun e Go Ae-shin.



O personagem masculino Koo Dong-mae, interpretado por Yoo Yeon-seok, foi inicialmente descrito como um açougueiro de classe baixa da Coreia que cresce e se torna membro do notório Gen'yosha do Japão, um influente grupo ultranacionalista. Ele retorna à sua terra natal, Joseon, tornando-se o líder do ramo do grupo, a Sociedade do Dragão Negro em Hanseong, que era a capital de Joseon. É um fato histórico que Gen'yosha é suspeito de lançar uma equipe de força-tarefa na Coreia para uma futura invasão e esteve envolvido no assassinato da Imperatriz Myeongseong.


No entanto, o fato de Dong-mae ter dirigido brutalidades contra a Coreia irritou muitos telespectadores coreanos. No drama, ele é retratado como um pobre menino coreano que foi abandonado por seu próprio país e não teve escolha a não ser sentir sede de vingança.


“Parece que o drama está dizendo que havia uma razão pela qual a Sociedade do Dragão Negro foi tão impiedosa contra os coreanos”,

escreveu um internauta no site da emissora tvN.


Algumas pessoas chegaram a levar a questão à Casa Azul, apresentando uma petição em 16 de julho, argumentando que tal distorção histórica deveria ser regulamentada. Eles alegaram que o drama estava sendo exibido na Netflix, aumentando o risco de que os estrangeiros pudessem interpretar mal a História da Coreia e da invasão japonesa. Em resposta, a equipe de produção do drama emitiu um pedido de desculpas afirmando que não tinha intenção de “romantizar a postura pró-japonesa” e que a equipe havia decidido modificar todo o personagem em episódios posteriores. A partir do episódio 5, a Sociedade do Dragão Negro recebeu um nome fictício e uma notificação foi mostrada no início de cada episódio que dizia: “Esta é uma obra de ficção baseada em eventos históricos”.


Mr.Sunshine

O drama terminou em 30 de setembro de 2018, porém, lançando luz sobre o verdadeiro Exército Justo da Coreia. A cena foi baseada em uma fotografia em preto e branco do Exército Justo, muitas pessoas anônimas que lutaram pelo país, tirada em 1907 por Frederick McKenzie, escritor e jornalista de guerra que trabalhava para o London Daily Mail. A fotografia é familiar para a maioria dos coreanos porque está nos livros de história. O episódio também se manteve fiel à história, usando citações de entrevistas de McKenzie como:

“Sabemos que todos nós morreremos se continuarmos esta luta. Mas odiaríamos absolutamente viver como escravos japoneses. Preferiríamos morrer como homens livres.”

Eugene Choi traz o jornalista estrangeiro ao Exército Justo, que concorda com a entrevista e em ser fotografado na crença de que o mundo deveria aprender sobre sua luta justa. Essa fotografia é, na verdade, a única fotografia existente dos combatentes pela liberdade da Coreia.



Komentarze

Oceniono na 0 z 5 gwiazdek.
Nie ma jeszcze ocen

Oceń
bottom of page