top of page

[Cultura] Nomes Coreanos e a Questão dos Escravos


Voltarei a uma história que me é familiar, a notável história dos nomes de família coreanos. Estou voltando a esta questão porque ainda recebo perguntas e comentários baseados em desinformação popular e ideias equivocadas que ainda circulam na Coreia.


Nomes coreanos
Estátua de um escravo coreano

As ideias erradas:


  1. Que, tradicionalmente, apenas os aristocratas yangban tinham apelidos — e que plebeus e escravos só adquiriram apelidos no século XX;

  2. Que a alta frequência dos nomes Kim, Yi e Park se deve a todos os escravos que adotaram nomes e apenas copiaram os sobrenomes mais comuns — Kim, Yi (Lee) e Park,

  3. Que os escravos eram numerados entre 90% ou pelo menos 50% da população.


Proponho considerarmos esses três itens na ordem inversa. As estimativas de 90% de escravos são ridículas e mesmo 50% são um grande exagero. No início da dinastia Joseon, a posse de escravos pode ter chegado a 40%, mas esse número diminuiu gradualmente ao longo do tempo, especialmente quando a Coreia atingiu o período de aumento da atividade comercial dos séculos XVIII e XIX. Na época, no início do século XX, em que os escravos puderam adotar apelidos, a porcentagem da população escrava estava provavelmente mais próxima dos 20%.


A ideia de que a razão para tantos sobrenomes Kim, Yi (Lee)e Park foi porque uma grande população escrava adotou esses nomes também pode ser provada falsa, pelo fato de que os registros existentes para os nomes da população antes do século XX já mostravam uma preponderância de Kim, Yi (Lee) e Park.



Os registros incluem as listas de exames civis, o índice dos nomes mencionados no Sillok, nomes de autores de livros e muitos outros registros históricos. As listas de exames, por exemplo, mostram que 20% dos aprovados durante o período Joseon se chamavam Yi. Um total de 15% era Kim e 6% eram Park. Na atual Coreia, Kim tem 21%, Yi (Lee) tem 15% e Park tem 8% — Kim e Yi (Lee) trocaram de lugar no topo. Provavelmente há uma boa razão para isso — os Yi eram a família real e tinham maiores privilégios e oportunidades de estudar e passar nos exames — provavelmente maior do que a proporção da sua população na sociedade.


Os Kims provavelmente eram mais numerosos do que sua representação nos exames porque o nome já existia há muito tempo e provavelmente havia mais pessoas que levavam o nome do que conseguiam acompanhar a tradição de estudar para os exames. Os sobrenomes abaixo dos três primeiros, digamos, os nomes do segundo nível, os 10 primeiros ou os 20 primeiros nas listas de exames, parecem muito com os nomes do segundo nível na sociedade atual. Havia Jeong, Choe, Kang, Yun, Cho, An, Hong, O, Seo, Heo, Bae, Baek — os nomes que ouvimos hoje no grupo de Kim, Yi e Park.


Nomes coreanos

O que isto significa?


Significa que os escravos anônimos assumiram uma vasta gama de nomes — não apenas Kim, Yi e Park. Isso significa que os escravos adotaram os nomes de seus senhores? Sim e não. Os números não são exatamente os mesmos — por exemplo, Choe está em 5º lugar hoje, mas estava em 9º na lista do exame.

Aqui estão alguns exemplos do primeiro e segundo níveis, posso dizer, de sobrenomes na Coreia.


Coreia hoje: Kim 21%, Yi 15%, Bak 8%, Jeong 5%, Choe 5%, Cho 3%, Kang 3%, Yun 2%, Im 2%.


Era Joseon: Yi 20%, Kim 14%, Park 6%, Jeong 5%, Yun 4%, Cho 4%, Hong 3%, Ryu 3%, Choe 3%.


Você vê como Choe aumenta de 3% para 5%. Cho diminuiu de 4% para 3%. Podemos dizer que Choe tinha +2. Cho estava com -1.



Da mesma forma, o seguinte pode ser uma maneira fácil de entender — esta lista mostra o quanto o sobrenome aumentou ou diminuiu como porcentagem da população desde o pré-século XX até o pós-século XX. A ordem é a dos aprovados nos exames, depois de Yi, Kim, Park e Jeong: Yun -2, Cho +1, Hong -2, Ryu -1, Kwon -1, Han -0,6, Shin +0,1, Song -0,4, Min -1,2, Kang +0,9, An +0,1, Shim -0,4, O +0,1, Seo +0,3, Nam +0,3, Hwang -0,2, etc.


A aquisição de sobrenomes era aproximadamente, dentro de um ou dois pontos percentuais, da distribuição de nomes da era Joseon. A exceção é Kim, que aumentou 7%, Yi diminuiu 5% e todos os restantes estão dentro de um ou dois pontos percentuais — ou uma fracção disso.


Então, acho que podemos dizer que um número “um pouco” maior de escravos adotou o nome Kim, mas com apenas um aumento de 7%, e não 7% da população, podemos concluir que não houve uma grande “corrida” ao nome de Kim, e que a maioria dos Kim hoje são herdeiros da nobreza de Silla e Gaya, cujos reis fundadores se chamavam Kim.


Isto sublinha o número desproporcional de pessoas na Coreia com nomes reais, Kim, Yi e Park, como um fenômeno verdadeiramente único e coreano que sublinha a história da Coreia pacífica.


A razão para tantos Kim, Yi e Park foi a não destruição das famílias dinásticas na queda das dinastias — muito diferente de outros países do mundo.



留言

評等為 0(最高為 5 顆星)。
暫無評等

新增評等
bottom of page